segunda-feira, 27 de agosto de 2012

"PREMIADO pela JUSTIÇA BAIANA com o REGIME ABERTO"

Meu nome é Marion Terra, sou mãe do adolescente Lucas Terra que foi violentado, espancado, amarrado, amordaçado e queimado ainda com vida por religiosos Pedófilos Assassinos. O ¨pastor¨ Galiza, foi condenado a 18 anos de prisão, ficou pouco tempo preso, pois foi PREMIADO pela JUSTIÇA BAIANA com o REGIME ABERTO, isto é, sai para as ruas de Salvador o dia inteiro, para ESTUPRAR outras crianças e adolescentes, a noite volta para a cadeia onde repousa tranquilamente com a proteção do Estado da Bahia. Após a condenação, o pedófilo assassino Galiza denunciou seus superiores, disse que : Lucas Terra ao entrar no ¨GABINETE PASTORAL¨da Universal do bairro Pituba, sem querer FLAGROU o ¨bispo¨ Fernando e o ¨pastor¨ Joel fazendo SEXO no sofá. Poucos dias após os fatos foi assassinado. Os acusados ainda estão IMPUNES, assistidos por uma equipe de oito advogados de diversos estados do país, que entram com todos os Recursos Jurídicos para beneficiá-los. Eu como mãe de Lucas Terra, vejo esses ¨homens¨ como INUMANOS que estão abaixo da ANIMALIDADE, pois eles só conseguem sentir PRAZER SEXUAL quando estão ESTUPRANDO crianças e adolescentes. As autoridades e os políticos em nosso país viram as costas para as vítimas e familiares das vítimas de violência, desprezam a sociedade que está à mercê dos criminosos que apostam na IMPUNIDADE. Ao longo dos ultimos 11 anos, tenho dedicado minha vida a lutar por JUSTIÇA, contra IMPUNIDADE e pelos Direitos Humanos para os HUMANOS. Foi esse o motivo pelo qual decidí me candidatar pela primeira vez a VEREADORA com o número 40.567 . E é por essa luta que peço, para você conhecer minhas propostas, e me apoiar nesta próxima eleição. Seu apoio será de fundamental importância para construir uma sociedade fraterna e justa, em que a família tenha um papel decisivo na formação de novos cidadãos. De cabeça erguida posso afirmar que tenho juntamente com meu esposo Carlos Terra, uma HISTÓRIA REAL de LUTA contra a INJUSTIÇA e contra a IMPUNIDADE que impera na Bahia. Tenha certeza: Sendo eleita, como Vereadora irei continuar lutando por todas as vítimas da violência, lutarei tambem para que a nossa cidade de Salvador venha mudar para melhor, e todos nós com orgulho vamos dizer. SALVADOR é a terceira maior e melhor capital do Brasil em qualidade de vida. Marion Terra 40.567

domingo, 15 de julho de 2012

Condenado por matar Lucas Terra cumpre pena em regime aberto na BA


Ex-pastor Silvio Galiza sai da prisão durante o dia e volta à noite.
Decisão foi tomada pela Vara de Execuções Penais de Lauro de Freitas.


lucas terra (Foto: Reprodução/TV Bahia)Crime que matou garoto completa 11 anos
(Foto: Reprodução/TV Bahia)
Condenado por abusar sexualmente e matar o adolescente Lucas Terra, em Salvador, o ex-pastor Silvio Roberto Galiza, teve progressão de regime concedida nesta sexta-feira (13) pela juíza Patrícia Sobral, da Vara de Execuções Penais de Lauro de Freitas, na região metropolitana, onde o preso cumpria pena.
De acordo com informações da assessoria da Secretária de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia (Seap), o interno cumpria pena em regime semiaberto e, a partir de agora passa a cumprir pena no regime aberto, com o direito de sair da Casa de Albergados e Egressos, no Complexo Penitenciário da Mata Escura, de segunda à sexta-feira durante o dia. Ainda segundo a Seap, Galiza deve dormir todas as noites na unidade e não pode sair do local nos finais de semana.
Em entrevista ao G1 nesta sexta-feira, o pai de Lucas Terra, Carlos Terra, disse que recebeu a notícia da progressão de regime de Silvio Galiza com surpresa. "É muita indignação, muita revolta que estou sentindo. Quero perguntar ao presidente do Tribunal de Justiça da Bahia onde está o exame criminológico do Galiza para estar livre para andar em Salvador agora, pegar outras crianças, abusar, queimar... Estou revoltado, não tenho palavras para dizer o que estou sentindo, isso é uma barbaridade", disse.


Lucas Terra tinha 14 anos quando foi abusado sexualmente e queimado vivo, em março de 2001. Além de Silvio Galiza, que foi condenado a 18 anos de prisão pela autoria do crime, a Justiça acusa também dois outros membros da Igreja Universal do Reino de Deus de participação no assassinato da vítima. Eles ainda não foram julgados. Galiza teve a pena reduzida para 15 anos de prisão.
O promotor do caso, David Gallo, que participou do julgamento de Galiza e acompanha o processo dos outros dois réus, também disse estar surpreso com a notícia de progessão de regime do acusado nesta sexta. "É um direito dele [Silvio Galiza]. É uma vergonha, mas está na lei. Agora ele está na rua, não existe controle, é uma excrescência, ninguém cumpre pena nesse país. Tenho fé que de que os outros dois réus vão a júri popular", afirmou ao G1.
O pai da vítima, Carlos Terra, disse que acredita na condenação dos outros dois réus. "Vou continuar lutando por isso. Essa decisão [da progessão de regime de Silvio Galiza] toda foi feito por debaixo dos panos, perto de um final de semana. São 11 anos de luta, vou pedir a revogação dessa liberdade, vou no Tribunal de Justiça, em Brasília, na Onu, para fora do país denunciar o Brasil que mata, o país da impunidade. Como cidadão, como pai, eu não aceito isso. E as ameaças que eu sofri esses anos todos, a minha família, não me conformo. Ele [Silvio Galiza] recebeu um presente, brinde que deve ser comemorado com champanhe francesa pelos assassinos", disse Carlos Terra.

Lílian MarquesDo G1 BA

domingo, 20 de maio de 2012

CASTRAÇÃO QUÍMICA PARA PEDÓFILOS E ESTUPRADORES

A Castração Química é uma forma temporária de Castração ocasionada por Medicamentos Hormonais. É uma medida preventiva ou de punição àqueles que tenham cometido crimes sexuais violentos, tais como Estupro e Abuso Sexual Infantil.
A Castração Química reduz a Líbido (desejo sexual), pois com a aplicação dos hormônios femininos, a reincidência de criminosos sexuais cai de 75% para 2%, segundo pesquisas realizadas.
A pena de Castração Química já é aplicada nos Estados Unidos, Canadá e na Coreia do Sul. Na França e na Espanha está em fase de implantação.
A Comissâo de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Brasileiro, adiou a votação da inclusão da pena de Castração Química para Abusadores Sexuais de Crianças.
A Castração Química deve ser imediatamente aprovada e aplicada no Brasil, pois ¨Ressocializar¨ os Pedófilos e Estupradores é tempo perdido, eles cometem estes crimes com prazer e por lazer. Divertem-se as gargalhadas vendo o pânico e o desespero das vítimas Os defensores de Pedófilos e Estupradores dizem que a Castração Química atinge a dignidade da pessoa humana e que lesiona a condição físico-psíquica dos criminosos, e também afirmam que os direitos dos Pedófilos e Estupradores devem ser intocáveis e imodificáveis. Esses hipócritas perdem a oportunidade de ficar calados, deveriam sim, defender as vítimas desses criminosos.
E as vítimas dos Pedófilos e Estupradores, onde estão seus direitos ? Porque os legisladores só criam leis para proteger os criminosos ?
Um ato de Pedofilia e Estupro jamais poderá ser reparado nem esquecido pelas vítimas, irão lembrar até o final de suas vidas.
A Ressocialização dos Pedófilos e Estupradores é uma piada, pois estes criminosos estão abaixo da animalidade, desconhecem o que é sentimento.
Voce que leu este texto, cobre das autoridades brasileiras a aprovação imediata desta lei de CASTRAÇÃO QUÍMICA para PEDÓFILOS e ESTUPRADORES.
Envie E-mails para Assembléia Legislativa, Câmara dos Deputados, Senado Federal, Tribunal de Justiça, Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal exigindo que esta lei entre em vigor imediatamente.

terça-feira, 1 de maio de 2012

‘Sou formiga diante de elefante’, diz pai de jovem morto há 11 anos na BA


21/03/2012 15:12 - por: Mara Vieira

Pai de adolescente protesta em frente a fórum de Salvador: ‘Sei que sou uma formiga, mas não desistirei’, diz  (Foto: Reprodução/ TVBA)
Acampado  pelo terceiro dia em frente ao Fórum Ruy Barbosa, em Salvador, Carlos Terra desabafa: “Eu sou uma formiga diante de um elefante”. É com essa frase que o pai do jovem Lucas Terra, morto há 11 anos, descreve sua sensação após apenas um dos três suspeitos pelo crime ter sido julgado e condenado perante a Justiça. Segundo a Promotoria de Justiça, em março de 2001 o adolescente foi abusado sexualmente, colocado em uma caixa de madeira e queimado vivo em um terreno baldio na Avenida Vasco da Gama, na capital baiana.
‘Sou formiga diante de elefante’, diz pai de jovem morto há 11 anos na BA (Foto: Reprodução/ TVBA)Carlos Terra expõe cartazes com imagens do filho
(Foto: Reprodução/ TVBA)
Os  réus são um ex-bispo e um ex-pastor da Igreja Universal do Reino de Deus. O principal é o ex-pastor Silvio Roberto Galiza, que já foi condenado a 18 anos de prisão e hoje responde em regime semiaberto. Ele acusou o ex-bispo e o ex-pastor de participação no assassinato, mas os dois ainda não foram julgados. “Eles estão livres por aí, como se nada tivesse acontecido”, lamenta Carlos Terra.
Segundo Carlos Terra, o processo está “parado na prateleira da 2ª Vara Crime do Estado, provavelmente aguardando ser prescrito, ou seja, arquivado”. O pai do jovem, que faz o sétimo semestre do curso de Direito, diz que começou a faculdade para entender das leis e lutar pelos direitos do filho. "Estamos lidando com quem tem dinheiro para protelar isso até que seja prescrito, estamos lidando com quem tem poder", diz.
lucas terra (Foto: Reprodução/TV Bahia)Lucas Terra foi morto em 2001
(Foto: Reprodução/TV Bahia)
Promotor de Justiça responsável pelo caso, David Gallo explica que o crime prescreve quando completa 20 anos sem julgamento final. "Pode parecer pouco tempo, mas considerando que 11 anos já se passaram, o crime pode vir a prescrever, sim", explica.
A promotoria acredita que os acusados irão a júri popular. “Não tenho a mínima dúvida que os dois serão submetidos a julgamento popular”, afirma o promotor.
 Tribunal de Justiça
 Em nota da assessoria de imprensa, o Tribunal de Justiça afirma que “todos os tramites relacionados ao caso ‘Lucas Terra’ estão correndo dentro da normalidade”. Em outro trecho, o documento da assessoria diz que o Tribunal acredita que os servidores da Justiça responsáveis pela apuração do caso estão “trabalhando com empenho para que a justiça seja efetivada”.
Júri Popular
Para Carlos Terra, somente a decisão do povo, por meio de um júri popular, será capaz de fazer justiça. “Eu quero que a Justiça dê ao povo o direito de julgar os responsáveis por violentar sexualmente e queimar o meu filho vivo. Um menino puro, indefeso, que pecou pela obediência, por nunca acreditar que dois membros de uma Igreja iriam lhe fazer algum mal”.
Ele garante que irá permanecer acampado em frente ao Fórum até a Justiça desarquivar o processo e votar pela formação do júri. "Eu não estou pedindo um favor, nenhum esforço de ninguém. Estou clamando por Justiça, isso é direito de todo cidadão. O processo deve seguir, e o povo deve poder estudar o caso e decidir, se eles merecem ou não responder por aquilo que estão sendo acusados. Sei que sou uma formiga no meio de elefantes, mas não desistirei; e a formiga há de vencer essa batalha", completa.
G1,BA 

quinta-feira, 15 de março de 2012

CLAMOR PÚBLICO


SOMENTE O CLAMOR PÚBLICO PODERÁ FAZER O "bispo" FERNANDO APARECIDO DA SILVA E O "pastor" JOEL MIRANDA SENTAREM NO BANCO DOS RÉUS PARA SEREM JULGADOS PELA SOCIEDADE BAIANA. LIGUEM PARA AS AUTORIDADES COBRANDO UMA SOLUÇÃO.
PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA BAHIA
DESEMBARGADOR MARIO ALBERTO HIRS
TELEFONE: (71)3372 5008

PRECISAMOS DO SEU APOIO!
DIVULGUEM EM SUAS REDES SOCIAIS.

MARION TERRA (MÃE)
TEL.: (71)9172 6884

sábado, 26 de novembro de 2011

Bispo Fernando e pastor Joel da IURD, acusados de matar Lucas Terra vão sentar no banco dos réus?

O crime, que completou dez anos, chocou a população por causa da crueldade. O jovem Lucas Terra foi abusado sexualmente e queimado vivo.


Assista o vídeo:

Promotor acredita que acusados de matar Lucas Terra vão a júri popular

Garoto de 14 anos foi abusado sexualmente e queimado vivo em 2001.
Réus atuais são um pastor e um bispo da IURD.



Às portas fechadas, a última audiência sobre o assassinato do garoto Lucas Terra, para decidir se dois suspeitos irão a júri popular, ocorreu na sexta-feira (25), na 2° Vara do Júri Sumariante, no Fórum Ruy Barbosa, em Salvador. O crime aconteceu há dez anos e foi marcado por requintes de crueldades: o adolescente foi abusado sexualmente e queimado vivo aos 14 anos, em março de 2001.
Os atuais réus são um bispo e um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus. O principal autor do crime é o pastor Silvio Roberto Galiza, que já foi condenado a 18 anos de prisão e hoje responde em regime semiaberto. Ele acusou o bispo e o pastor de participação no assassinato, mas os dois ainda não foram julgados. “Eles estão em liberdade, passeando por ruas e shoppings de Salvador como se nada tivesse acontecido, como se um cachorro tivesse sido morto”, lamenta o pai, Carlos Terra.
A promotoria acredita que os acusados irão a júri popular. “Não tenho a mínima dúvida que os dois serão submetidos a julgamento popular muito em breve se Deus quiser”, relata o promotor David Gallo. No fim da audiência, os acusados saíram do local sem falar com a imprensa e sob protesto da mãe da vítima, que dizia: “Fujam, seus assassinos, é só isso que vocês têm que fazer. Se esconder, entrar e sair pela porta dos fundos”.


As testemunhas de defesa foram ouvidas na sessão judicial e, a pedido dos advogados, os pais da vítima não puderam assistir os depoimentos. “A gente se sente humilhados como pais do Lucas, esperando que a Justiça seja feita”, diz a mãe Marion Terra. Segundo a Promotoria de Justiça, o adolescente foi abusado sexualmente, colocado em uma caixa de madeira e queimado vivo em um terreno baldio na Avenida Vasco da Gama, na capital baiana.


Do G1 BA, com informações da TV Bahia

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

JUSTIÇA PARA VÍTIMAS!

Dia 25-11-11, sexta feira ás 09:00 da manhã na Segunda Vara do Júri no Fórum Rui Barbosa no Campo da Pólvora, a ultima audiência do Bispo Fernando e do Pastor Joel da Universal, a sociedade baiana deve exigir que eles sentem no Banco dos Réus, para serem julgados pelo assassinato do adolescente LUCAS TERRA que foi espancado, amarrado, violentado, amordaçado e queimado vivo. Compareça a entrada no Fórum é franca. Na Bahia existem autoridades dignas e honradas que não se curvam diante do poder econômico.

sábado, 8 de outubro de 2011

CAMPANHA DE APOIO À LUTA CONTRA IMPUNIDADE!

A sociedade brasileira vive em pânico e aterrorizada, pois cada dia aumenta a ousadia dos criminosos que desafiam as autoridades.
É necessário uma urgente mudança no Código Penal e no Código de Processo Penal, não permitindo que as brechas da lei beneficiem os criminosos.
O endurecimento das leis não é abuso, excesso ou retrocesso. Abuso, excesso e retrocesso, é o que os assassinos impõem as famílias brasileiras. Os criminosos sequestram, estupram e matam, crianças, jovens, mulheres e idosos, por diversão, a vida das vítimas para eles não vale nada.
No Brasil já está instituída a pena de morte, os criminosos já a aprovaram e a aplicam diáriamente nas famílias e na sociedade brasileira. Eles acreditam na impunidade, pois tem como aliados, alguns legisladores que criam e aprovam leis para beneficiá-los e protegê-los.
Atualmente a sociedade Baiana está em pânico e acuada, sendo caçada pelos criminosos, que tornaram-se exímios predadores e caçadores, para eles matar pessoas é como matar animais.
Sabemos que o animal selvagem mata para se alimentar ou para se proteger, mas os assassinos matam por prazer e por lazer, muitos estão abaixo da animalidade.
É muito bonito falar em ressocialização de bandidos, culpar a justiça, polícia ou o Estado. Aqueles que filosofam a favor dos criminosos, perdem a oportunidade de ficar calados, pois nunca sofreram violência, desconhecem como dói no profundo da alma ter um familiar barbaramente assassinado.
Os estudiosos da mente humana afirmam que alguns criminosos não podem sair da prisão, pois são irrecuperáveis. Também penso que, quem não respeita a vida e ao próximo, não pode conviver em sociedade.
Por isso pedimos que, para os crimes hediondos a pena máxima deve aumentar para 50 (cinquenta) anos, e após o cumprimento de 25 (vinte e cinco) anos em REGIME FECHADO, aí então deve iniciar a Progressão de Regime, com todos os benefícios disponíveis da legislação brasileira.
Acredito que o aumento das penas não é abominável, os assassinos e a proteção da Lei aos criminosos é que é abominável. Acredito também que o aumento das penas para crimes hediondos não é uma violência à dignidade humana, mas é sim, JUSTIÇA CONCRETA PARA AS VÍTIMAS e para os familiares das vítimas.
Os defensores de assassinos, pedófilos, estupradores e sequestradores dizem que o aumento das penas, atinge a dignidade da pessoa humana e que lesiona a condição físico-psíquica dos bandidos, e também afirmam que os direitos dos assassinos são intocáveis e imodificáveis. E AS VÍTIMAS?
Alguns criminosos recebem da Previdência Social o auxílio reclusão de até R$ 810,18 (oitocentos e dez reais e dezoito centavos). As vítimas e seus familiares são ignorados e não tem direito a nada, mas os criminosos tem direito a tudo.
Os criminosos na prisão deveriam trabalhar para seu próprio sustento e de suas famílias, assim como fazem todos os trabalhadores brasileiros.
Deveria ser constitucional, indispensável e fundamental o respeito aos direitos humanos e aos direitos e garantias fundamentais das vítimas e seus familiares. Discutir com a sociedade a aplicação do aumento das penas não fere o princípio da segurança jurídica, e também não se trata de desmoralizar as cláusulas pétreas da Constituição Federal Brasileira.
Nós familiares das vítimas de violência, já estamos condenados perpétuamente a conviver com as lágrimas, a dor e o sofrimento. Mas ainda acreditamos que no Brasil e na Bahia existem autoridades dignas e honradas que não se inclinam diante do poder econômico.

Marion Terra.


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Até quando a Impunidade vai imperar?


Sou mãe de Lucas Terra, 14 anos, que foi violentado, espancado, amarrado, amordaçado e queimado vivo, em Salvador, Bahia.
O pedófilo assassino “pastor” Silvio Galiza foi condenado à 18 anos de prisão, mas encontra-se em Regime Semi-Aberto.
Este pedófilo assassino foi “PREMIADO” pela justiça baiana e já está nas ruas de Salvador para violentar e assassinar crianças indefesas.
O pedófilo assassino Silvio Galiza, após sua condenação em jurí popular, denunciou o “bispo” Fernando Aparecido e o “pastor” Joel (ambos da Universal) como participantes do assassinato de Lucas Terra.
Atualmente o “bispo” Fernando e o “pastor” Joel continuam livres.
Até quando a Impunidade vai imperar?
Até quando os legisladores continuarão criando leis para beneficiar os bandidos?


Estou em busca de UM MILHÃO de assinaturas, para levar ao Congresso Nacional, aos legisladores deste país, pedindo


LEIS MAIS RÍGIDAS PARA CRIMES HEDIONDOS.


FAÇA PARTE DESSA CORRENTE, DIVULGUE ESTE MOVIMENTO EM SUAS REDES SOCIAIS, PRECISAMOS MUDAR ESSAS LEIS QUE FAVORECEM AOS BANDIDOS E PUNEM AS VÍTIMAS.


Acesse: www.lutecontraimpunidade.com








sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Lançada Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência em Brasília/DF


Deputados e senadores lançaram, na manhã desta quarta-feira (24), no Auditório Freitas Nobre, na Câmara dos Deputados, a Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência. O objetivo é aprovar medidas que contribuam para a redução de crimes hediondos no Brasil e para retirar o país do topo do ranking mundial de homicídios.

O grupo de parlamentares vai defender, entre outras propostas, a criação de um programa de acompanhamento psicológico e de apoio jurídico e financeiro para as vítimas de violência e seus familiares; e a revisão do Código Penal.

- Vamos defender as famílias golpeadas pela violência, além de criar e aprimorar leis que assistem essas famílias desamparadas e desestruturadas - disse a presidente da frente, a deputada Keiko Ota (PSB-SP).

Os parlamentares da frente também vão propor a criação de secretarias de apoio às vítimas de violência (nacional e estaduais) e de frentes parlamentares semelhantes, nas assembléias estaduais.

O vice-presidente da frente, senador Wellington Dias (PT-PI), sugeriu ainda a criação de um cadastro nacional da impunidade e de uma rede nacional para obter informações sobre a violência no país. Na avaliação do parlamentar, a impunidade contribui para o crescimento dos casos de violência no Brasil.

- Muitos brasileiros e brasileiras sofrem a dor de perder um ente querido, mas, principalmente, a dor da impunidade - disse Wellington Dias.

O evento contou com também com as participações da subsecretária de Proteção às Vítimas de Violência (Pró-Vítima) da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do DF, Valéria Velasco, familiares de vítimas de violência e de movimentos da sociedade civil em defesa da paz.

Rodrigo Baptista / Agência Senado


VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA APOIARAM A INICIATIVA DA DEPUTADA KEIKO E ESTIVERAM PRESENTES NO LANÇAMENTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DAS VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA EM BRASÍLIA/DF

Em cada rosto a expressão da dor, da saudade, mas no peito a esperança de que pela primeira vez na história do Brasil alguém faça alguma coisa em prol das vítimas.
Os filhos e entes queridos deles não voltarão...mas todos lutam para que outros familiares não venham a sofrer o que hoje sofrem...que tenham amparo do estado e que não sejam somente mais um, para a estatística da violência.

A deputada Keiko Ota recebeu o apoio de familiares de vítimas de diversos estados do Brasil, que puderam explanar um pouco de sua dor e mesmo aqueles que não puderam, devido o pequeno espaço do tempo, se manifestar, estavam lá para prestigiar o evento e apoiar a Frente, que visa benefícios para as vítimas.

A partir de ontem, a deputada Keiko Ota, que já era estimada entre os parlamentares, ganhou um destaque ainda maior e aliados a sua luta...luta essa que é de todos nós, principalmente daqueles que sofreram na pele a dor da violência, do descaso e do abandono por parte do governo, em virtude do nosso código penal.

A Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência renova a esperança desses que há anos lutam por Justiça e através da deputada Keiko Ota esse projeto será levado adiante, portanto, a deputada conta e precisa do apoio de todos; vítimas, parlamentares, pessoas da sociedade cível.
É necessário que toda sociedade se engaje nessa luta...para que outros não venham a sofrer a dor que nos motivou fazer essa campanha!
















sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A sociedade brasileira está em pânico, acuada e sendo caçada pelos criminosos que tornaram-se exímios predadores e caçadores...

Marion e Carlos Terra, pais de Lucas.
A Prisão Perpétua não é abuso, excesso ou retrocesso. Abuso, excesso e retrocesso, é o que os assassinos impõem às famílias brasileiras.

Os defensores de assassinos, pedófilos, estupradores e sequestradores dizem que a prisão perpétua atinge a dignidade da pessoa humana e que lesiona a condição físico-psíquica dos bandidos.
Afirmam que os direitos dos assassinos são intocáveis e imodificáveis. Os assassinos aprovaram a pena de morte e já a aplicam nas famílias e na sociedade brasileira.

Os criminosos sequestram, estupram e matam, crianças, jovens, mulheres e idosos por diversão. Eles tem certeza da impunidade, pois tem como aliados, alguns legisladores, que criam e aprovam leis para beneficiá-los e protege-los.

A sociedade brasileira está em pânico, acuada e sendo caçada pelos criminosos que tornaram-se exímios predadores e caçadores. Hoje matar pessoas é como matar animais.
O animal mata para se alimentar ou se proteger, os assassinos matam por prazer e por lazer. Os cruéis assassinos estão abaixo da animalidade. Quem não respeita a vida e ao próximo, não pode conviver em sociedade.

A prisão perpétua não é abominável, os assassinatos e a proteção da lei aos assassinos que é abominável, os estudiosos da mente humana afirmam que certos criminosos não podem sair da prisão, pois são irrecuperáveis.

Os familiares das vítimas de violência, já estão condenados perpétuamente a conviver com as lágrimas, a dor e o sofrimento. A prisão perpétua não viola o princípio da humanidade, ela é justiça concreta para os familiares das vítimas.
Para os crimes hediondos, benefícios da lei, só devem iniciar após 25 anos de regime fechado.

Os criminosos na prisão deverão trabalhar para seu próprio sustento e de sua família, assim como fazem os trabalhadores brasileiros.
A Previdência Social concede o auxílio reclusão de até R$ 810,00 (oitocentos e dez reais) mensal para os criminosos e seus dependentes. As vítimas e seus familiares são ignorados e não tem direito a nada. Deveria ser constitucional, indispensável e fundamental o respeito aos direitos humanos e aos direitos e garantias fundamentais das vítimas e seus familiares.

Discutir com a sociedade a aplicação da PRISÃO PERPÉTUA não fere o princípio da segurança jurídica, também não se trata de desmoralizar as CLÁUSULAS PÉTREAS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA.
As autoridades precisam urgentemente tomar uma posição firme contra a impunidade existente em nosso país.

As famílias e a sociedade brasileira pedem socorro.

Acorda Bahia! Acorda Brasil!

por MARION TERRA


Repasse esta carta, acesse:
 

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Ato Público no dia 19/08 das 11 às 15h na Praça da Sé - São Paulo/SP

 


INSTITUTO IVES OTA CONVIDA

Faremos um Ato Público no dia 19 de agosto de 2011, das 11 às 15h, na Praça da Sé, em São Paulo, onde familiares de vítimas de violência, ativistas, políticos e personalidades estarão presentes. 

Será realizada missa, regida pelo Padre Valter, das 12 às 13h, em homenagem as vítimas de violência, e na sequência o Ato Ecumênico, onde os manifestantes farão a oração do Pai Nosso e em seguida daremos um abraço no Tribunal de Justiça.

O objetivo é divulgar o pré Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência que acontecerá em Brasília, no dia 24/08 às 09h no Auditório Freitas Nobre - Subsolo IV
Convidamos a população a participar desse ato inédito e histórico no Brasil, onde pela primeira vez temos uma Deputada Federal, eleita, com uma expressão significativa de votos, que luta pelas mesmas causas das famílias vítimas de violência, pois sentiu na pele o que é ser vítima da violência e impunidade. Na dor conseguiu enxergar a importância dessa luta, que hoje é de todos nós, brasileiros que lutamos por Paz, Justiça e pelo Fim da Impunidade.
Por favor confirme sua presença.
Qualquer dúvida estou à disposição,
Atenciosamente,
Sandra Domingues

domingo, 7 de agosto de 2011

LUTE CONTRA IMPUNIDADE!

Preciso deixar registrado neste site algumas palavras,
confesso que gostaria de escrever muito mais, mas a dor me impediu.
É cruel para uma mãe separar-se bruscamente de seu filhinho tão amado.
Desejo que você entenda que nos momentos de maior sofrimento desta vida,
Deus está ao nosso lado derramando o bálsamo que ameniza o sofrimento.
Desejo que você entenda que Deus está no controle de tudo, pois não cai
um fio de cabelo da nossa cabeça sem a vontade do Pai.
Este site foi construído para mostrar uma trajetória verdadeira de luta
e sofrimento em busca de justiça.
Mostrar que não há limites, portas fechadas, e nem barreiras, quando você
quer alcançar seu objetivo por justiça.
Não desista de lutar nunca, a impunidade não poderá vencer.
O nome LUCAS significa VENCEDOR.
Meu Luquinhas venceu este mundo, onde ele está,
seus assassinos jamais terão o privilégio de tocar os pés.

MARION TERRA (Mãe)

sábado, 6 de agosto de 2011

Marion Terra em busca de 1.000.000 de assinaturas!

Marion Terra, mãe de Lucas Terra, 14 anos, foi violentado, espancado, amarrado, amordaçado e queimado vivo, em Salvador, Bahia.
O pedófilo assassino “pastor” Silvio Galiza foi condenado à 18 anos de prisão, mas encontra-se em Regime Semi-Aberto.
Este pedófilo assassino foi “PREMIADO” pela justiça baiana e já está nas ruas de Salvador para violentar e assassinar crianças indefesas.
O pedófilo assassino Silvio Galiza, após sua condenação em jurí popular, denunciou o “bispo” Fernando Aparecido e o “pastor” Joel (ambos da Universal) como participantes do assassinato de Lucas Terra.
Atualmente o “bispo” Fernando e o “pastor” Joel continuam livres.
Até quando a Impunidade vai imperar?
Até quando os legisladores continuarão criando leis para beneficiar os bandidos?
                 
Galiza (condenado), Joel e Fernando (denunciados).
MARION TERRA, está em busca de UM MILHÃO de assinaturas, para levar ao Congresso Nacional, aos legisladores deste país, pedindo

50 ANOS DE PRISÃO PARA CRIMES HEDIONDOS.

FAÇA PARTE DESSA CORRENTE, DIVULGUE ESTE MOVIMENTO EM SUAS REDES SOCIAIS, PRECISAMOS MUDAR ESSAS LEIS QUE FAVORECEM AOS BANDIDOS E PUNEM AS VÍTIMAS.
Saiba como você pode ajudar mais!
Contatos:

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

7º Encontro Mães da Praça Piedade

 

Convidamos a sociedade baiana e a população em geral a participar do Protesto Público das Mães da Praça Piedade, no dia 05 de agosto de 2011, na Praça Piedade, Salvador-BA, a partir das 09:00.
O movimento (MMPP), tem por objetivo denunciar criminosos, recolher assinaturas da população em geral a favor de 50 ANOS DE PRISÃO PARA CRIMES HEDIONDOS e menos benefícios para assassinos e seus cúmplices.
No próximo dia 24 de agosto de 2011, Marion Terra – mãe de Lucas Terra e líder do Movimento Mães da Praça Piedade – estará participando da Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência (Crimes Hediondos), no auditório Freitas Nobre em Brasília-DF, liderado pela Deputada Keiko Ota. A Deputada apresentará aos parlamentares uma proposta que vem ao encontro do que buscamos e precisa do apoio das famílias vítimas de violência para que seu grito por justiça seja o de todos nós.
O Movimento das Mães da Praça Piedade – MMPP, idealizado por Marion Terra, mãe de Lucas Terra, adolescente assassinado em março de 2001, e apoiado por, Míriam, mãe de Joel Castro (capoeirista mirim) assassinado em 2010, Gal, mãe de Milena Bitencourt assassinada em 2007, Célia, mãe de Marcelo Lima assassinado em outubro de 2006 em Feira de Santana, Bahia, entre tantas outras mães vítimas de violência, tem por objetivo, denunciar crimes, combater a impunidade, exigir leis mais rígidas na punição de bandidos e assassinos, apoiar mães e familiares vítimas da impunidade neste país.
Participem, compareçam, divulguem em suas redes sociais, temos que dar um basta a tanta impunidade e cobrar das autoridades JUSTIÇA e PAZ para as vítimas e PUNIÇÃO para os criminosos.

 

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Marcha da Impunidade reúne cerca de 800 pessoas na orla de Copacabana, Rio de Janeiro.

Rio - Cerca de 800 pessoas se reuniram, neste domingo, na orla da praia de Copacabana, para participar da Marcha da Impunidade. Vestidos com blusas pretas, segurando rosas e carregando imagens com rostos de vítimas da violência, os manifestantes saíram do Posto 6 e caminharam até a Av. Princesa Isabel.

Lá, depositaram três mil rosas vermelhas - 10% do número de crimes no Estado desde 2007 - em torno de uma cruz de madeira, fincada próximo ao calçadão.

"Nossa luta é contra a impunidade nos caso de violência. 92% dos casos de crime no Rio não tem explicação. No Rio, tem gente que mata por profissão, por prazer porque sabe que não será condenado", explica o presidente da ONG Rio de Paz, Antônio Carlos Costa.


Entre os presentes na manifestação, estavam o pai da menina Gabriela, assassinada no metrô em 2003, a mãe da engenheira Patrícia Franco, desaparecida desde 2008 e os pais do menino João Roberto, assassinado por policiais em 2008. Nenhum parente do menino Juan, assassinado em Junho deste ano, esteve presente.

Fonte:
O Dia

domingo, 31 de julho de 2011

MARION TERRA E OUTRAS MÃES LUTAM POR 50 ANOS DE PRISÃO PARA CRIMES HEDIONDOS

7º PROTESTO PÚBLICO DO MOVIMENTO MÃES DA PRAÇA PIEDADE!


Será realizado na próxima sexta-feira, dia 5 de Agosto de 2011, o 7º Protesto Público da Mães da Praça Piedade, em Salvador, Bahia. O movimento (MMPP), tem por objetivo denunciar criminosos, recolher assinaturas da população em geral a favor de 50 ANOS DE PRISÃO PARA CRIMES HEDIONDOS e menos benefícios para assassinos e seus cúmplices. Participem, compareçam, divulguem em suas redes sociais, temos que dar um basta a tanta impunidade e cobrar das autoridades JUSTIÇA e PAZ para as vítimas e PUNIÇÃO para os criminosos.


Cobertura de vários orgãos de imprenssa.
O povo exercendo sua cidadania.

Marion Terra, idealizadora do MMPP.

COMPAREÇA NESTA SEXTA-FEIRA, DIA 05 DE AGOSTO DE 2011, NA PRAÇA PIEDADE, SALVADOR/BA,
A PARTIR DA 09:00 DA MANHÃ.